Informações de contato

Rua Osvaldo Cruz, 342 – Soledade, 50050-225 – Recife/PE

Telefone:

Embora a covid-19 tenha devastado comunidades em todo o mundo e permanecido no centro das atenções nos últimos dois anos, é preciso manter e proteger o progresso feito no combate ao HIV e aids, uma pandemia que assola o mundo há 40 anos e continua a ser uma crise global de saúde pública

São Paulo, Brasil – No marco do 1º de dezembro, Dia Mundial de Luta Contra a Aids 2021, a AIDS Healthcare Foundation (AHF) convida governos, sociedade civil e setor privado a trabalharem juntos para não perder os avanços alcançados em HIV / AIDS em três décadas. Sob o lema “Aids: a outra pandemia”, procura fazer um lembrete urgente ao mundo: em tempos de covid-19, o HIV/Aids deve permanecer no topo da agenda global de saúde pública porque ainda mata centenas de milhares de pessoas todos os anos.

A AHF vai organizar comemorações em 45 países, incluindo eventos virtuais e ao vivo (com distanciamento social), para lembrar aqueles que perderam suas vidas por doenças relacionadas à aids e para conscientizar as pessoas sobre a importância de se protegerem, conhecendo sua condição sorológica e com acesso ao tratamento. No Brasil, haverá atos em São Paulo, Recife, Rio de Janeiro e Manaus, além de Tabatinga e Parintins, no Amazonas (quadro abaixo).

Para a AHF, a resposta global à aids ainda é insuficiente. A cada ano, pelo menos 6 bilhões de dólares a mais seriam necessários para financiar os esforços em todo o mundo. É provável que essa lacuna aumente ainda mais com a pandemia de covid-19. Os doadores governamentais devem fazer sua parte para melhorar e continuar os esforços de prevenção do HIV e garantir que os necessitados tenham acesso equitativo a cuidados e tratamentos que salvam vidas.

“A covid-19 atraiu com razão a atenção da agenda global, mas não devemos esquecer a pandemia que assola a humanidade há mais de três décadas, a aids, que ainda afeta milhões de pessoas em todo o mundo”, disse Terri Ford, Chefe de Política Global e Advocacy da AHF. “É vital que os líderes mundiais também mantenham seu foco no HIV neste Dia Mundial de Luta contra a Aids, e campanhas como a nossa são uma forma de fazer isso.” 

Beto de Jesus, diretor da AHF Brasil, alerta que neste momento, em que começamos a nos reerguer da pandemia de covid-19, embora ainda cautelosos por conta do cenário global da doença, é preciso voltar a concentrar esforços no sentido de o acesso a prevenção, testagem e tratamento do HIV e de outras infecções sexualmente transmissíveis no Sistema Único de Saúde a todas as pessoas que necessitem.

“Vivemos num país extremamente desigual, no qual o SUS é a única garantia de acesso a saúde para 75% da população. Além disso, o impacto da pandemia de covid-19 no atendimento às pessoas vivendo com HIV fez com que houvesse falhas assistenciais no último ano e meio, como queda no número de testes e de exames de CD4 e carga viral realizados. Precisamos mitigar os efeitos dessa realidade, para que não tenhamos mais retrocessos na saúde pública do Brasil, especialmente em relação ao enfrentamento do HIV e aids”, declarou.

O QUE:

AHF Brasil comemora o Dia Internacioanal de Luta Contra a Aids

QUANDO:  

1º de dezembro de 2021 (quarta-feira)

ONDE:

São Paulo/SP | Testagem e intervenções culturais no Museu de Arte de São Paulo (MASP) durante todo o dia. Haverá exibição de vídeos, distribuição de preservativos e autoteste de HIV e oferecimento de testagem para HIV, sífilis e hepatites B e C.

Recife/PE | Participação da Clínica do Homem nas ações de mobilização promovidas em parceria com a Secretaria Estadual de Saúde.

Rio de Janeiro/RJ | Ato público na Cinelândia com intervenções artísticas.

Manaus/AM | Testagem e intervenções culturais durante todo o dia.

Parintins/AM | Orientação e testagem de HIV, sífilis e hepatites B e C. Distribuição de kits de prevenção e realização de jogos de rua.

Tabatinga/AM | Pedalada pela Vida para marcar a data na Tríplice Fronteira (Brasil/Peru/Colômbia).

Por conta das medidas de controle da covid-19 exigidas em quase todos os países onde a AHF trabalha, a maioria dos eventos se concentrará no engajamento do público por meio da mídia. Interativo, como campanhas nas redes sociais, televisão, programas de rádio e concertos, webinars e conferências de imprensa. Faça o download do material da campanha “Aids: a outra pandemia” AQUI. Participe da campanha nas redes sociais com a hashtag #AidsAOutraPandemia e veja a lista completa dos eventos do Dia Mundial de Luta contra a Aids em: https://ahfwad.org/.

Panorama global

De acordo com as estatísticas mais recentes do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV e Aids (Unaids), 38 milhões de pessoas vivem com HIV e aids em todo o mundo e, somente em 2019, 1,7 milhão de pessoas adquiriram o vírus e 690 mil morreram de doenças relacionadas à aids. Enquanto milhões de pessoas estão hoje em tratamento antirretroviral, milhões mais ainda não têm acesso aos medicamentos.

A meta estabelecida por dezenas de países em torno do Unaids até 2020 era que 90% das pessoas que vivem com HIV soubessem seu status sorológico; que 90% dos que conhecem este estado tenham acesso a tratamento; e que 90% das pessoas em tratamento para o HIV tenham carga viral suprimida. De acordo com o programa da ONU, dessas metas, conhecidas como 90-90-90, a América Latina está abaixo do progresso global:

  • Pessoas com HIV que conhecem seu estado: Global 81% / América Latina 77%
  • Pessoas com HIV que estão em tratamento: Global 67% / América Latina 60%
  • Pessoas com HIV que têm carga viral indetectável: Global 59% / América Latina 53%

“A covid-19 teve um impacto inimaginável no Brasil, com mais de 22 milhões de casos registrados e mais de 614 mil mortes até o fim de novembro de 2021. Em meio a toda essa devastação, temos a responsabilidade fundamental de proteger os avanços que conquistamos com tanto esforço na resposta à aids, sempre com participação do movimento social e sem esquecer que ainda existem muitos desafios”, afima Beto de Jesus.

“Neste Dia Mundial de Luta contra a Aids, planejamos lembrar aos nossos líderes que a aids continua sendo uma crise de saúde pública global. Não podemos esquecer as lições que ela nos ensinou e concentrar toda a nossa atenção apenas na covid-19. Devemos encontrar a vontade e os recursos para combater as duas pandemias. Isso é uma questão de sobrevivência para a população da América Latina e do Caribe”, disse Patricia Campos, chefe do escritório da AHF para as duas regiões.

Sobre a AHF

A Aids Healthcare Foundation (AHF) é a maior organização mundial na luta contra a AIDS, atualmente fornecendo cuidados e / ou serviços médicos a mais de 1,3 milhão de pessoas em 45 países, incluindo os Estados Unidos e as regiões da África, América Latina / Caribe, o Região da Ásia / Pacífico e Europa Oriental. Para obter mais informações sobre AHF, visite nosso site: www.aidshealth.org, (adicione a página do país, se disponível) encontre-nos no Facebook: www.facebook.com/aidshealth (adicione Facebook, Instagram e Twitter do país) e siga-nos no Twitter: @aidshealthcare e Instagram: @aidshealthcare

Assessoria de Imprensa:

Rodrigo Hilário (21) 99204 2671

Nicole Gois (21) 97164 5068

[email protected]

Share:

administrator